sábado, 22 de maio de 2010

IDENTIDADE



Sou assim…

Sou casa em ruínas, abrigo de estrelas
Paisagem deserta, nascente de rio
Sou capa, sou xale tremendo de frio
Sou espelho e vidraça das tuas janelas
Sim, eu sou assim…
Um Ser de silêncio, fiel companheiro
Que acalma e que beija a alma que dói
E em mudas palavras, se dá por inteiro
Semeando gritos que o vento destrói
Sou...
Sou amarra, sou asa
Sou contradição
Sou nuvem que passa
Sempre em solidão.


Maria João

2 comentários:

Mila disse...

Olá Sél!
Linda poesia...
Bjs de BFD!
Mila

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Vim conhecer o seu espaço de sonhos
e sentimentos.
Encontro palavras repletas de essências.
Palavras assim são as melhores,
pois nos acariciam a alma
com a força dos sentimentos.

Que haja sempre em
teu coração espaço
para os sonhos.