terça-feira, 22 de junho de 2010

GARRAS DOS SENTIDOS



Não quero cantar amores,
Amores são passos perdidos,
São frios raios solares,
Verdes garras dos sentidos.


São cavalos corredores
Com asas de ferro e chumbo,
Caídos nas águas fundas,
não quero cantar amores.


Paraísos proibidos,
Contentamentos injustos,
Feliz adversidade,
Amores são passos perdidos.


São demências dos olhares,
Alegre festa de pranto,
São furor obediente,
São frios raios solares.


Dá má sorte defendidos
Os homens de bom juízo
Têm nas mãos prodigiosas
Verdes garras dos sentidos.


Não quero cantar amores
Nem falar dos seus motivos.


Augustina Bessa-Luís

4 comentários:

Sônia Silvino disse...

Olá! Sél!!!
Vim te visitar,
agradecer a tua presença nos meus blogs,
ver as tuas postagens mais recentes
e te desejar um lindo final de semana
com muita paz no teu coração!!!
"A felicidade se encontra nas pequenas coisas do dia-a-dia, como por exemplo,
a nossa interação repleta de afeto e de atenção!"
Sônia Silvino's Blogs
Vários temas & um só coração!

Flor ♥ disse...

Ótima escolha, a poesia é linda!

Deixo meu carinho!

Bjs.

REGGINA MOON disse...

Sél,

Linda postagem, que poema mais belo!!Fiquei encantada...Parabéns!

Um grande beijo e tenha uma ótima semana!!!

Reggina Moon

Sônia Silvino disse...

Sél, minha querida!
Agradeço imensamente tuas doces palavras nos meus blogs!
Um poema para iluminar a sua semana!!!

"O MILAGRE DA AMIZADE
A Amizade torna os fardos mais leves, porque os divide pelo meio.
A Amizade intensifica as alegrias,
elevando-as ao quadrado na matemática do coração.
A Amizade esvazia o sofrimento,
porque a simples lembrança do amigo é lenitivo
com jeito de talco na ferida.
A Amizade ameniza as tarefas difíceis,
porque a gente não as realiza sozinho.
São dois cérebros e quatro braços agindo.
A Amizade diminui as distâncias.
Embora longe, o amigo é alguém perto de nós.
A Amizade enseja confidências redentoras:
problema partilhado, percalço amaciado,
felicidade repartida, ventura acrescida.
A Amizade coloca música e poesia na banalidade do cotidiano.
A Amizade é a doce canção da vida e a poesia da eternidade.
O Amigo é a outra metade da gente.
O lado claro e melhor.
Sempre que encontramos um amigo,
encontramos um pouco mais de nós mesmos.
O Amigo revela, desvenda, conforta.
É uma porta sempre aberta em qualquer situação.
O Amigo na hora certa, é sol ao meio dia, estrela na escuridão.
O Amigo é bússola e rota no oceano, porto seguro da tripulação.
O Amigo é o milagre do calor humano que Deus opera no coração."

(Roque Schneider)

***************************
Sônia Silvino's Blogs
Vários temas & um só coração!