quinta-feira, 23 de setembro de 2010

NÃO POSSO ADIAR O AMOR


Não posso adiar o amor para outro século

não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora imprecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.


António Ramos Rosa

3 comentários:

Sônia Silvino disse...

Sél, minha amada!
Não adie, não!
Vim retribuir o seu carinho e a sua presença que me faz tão feliz!

PRIMAVERA...


“No balé das cores,
Desfilando orquídeas
Vejo minha vida
Como reprise...

Olhos brilhantes
De sonhos tantos...
Mágico instante
Doce release...

Fui primavera
De harmonia , beleza
Tantas certezas...

Bela estação é esta!
Mas, de certo, agora
Sei apenas que chega... E vai embora...” (Rose Felliciano)

Desejo um final de semana cheio de alegrias pra você!

Beijinhos, muitos!

Sônia Silvino's Blogs

Vários temas & um só coração!

Michelle disse...

É Sél!
Por mais que às vezes ele enlouqueça a gente... não dá pra odiá-lo mesmo... Ou dá... mas só por alguns instantes rs
Lindo poema!
Beijo grande!

so sad disse...

por que adiar? tudo passa tão depressa...
beijo!