terça-feira, 30 de novembro de 2010

SUMIDOURO DE LEMBRANÇAS



Eu sempre quis deixar-te uma mensagem

como a da brisa enquanto abraça o vento
ou como uma canção que vem da aragem
de tanto amor que envio em pensamento.

Eis que a vida nem sempre é uma viagem
por onde em tudo há mais contentamento
do que em viver lembranças da passagem
de um breve amor vivido além do tempo.

E eu sempre quis dizer-te que de alianças
o amor é o fruto além de algum momento
que se exauriu em mim como esperanças

exaustas de um silêncio em que lamento:
– Ai, de meus sumidouros de lembranças
onde lembrar é pior que o esquecimento!


Afonso Estebanez

5 comentários:

Mila Lopes disse...

Olá Sél!

Pior que é verdade lembrar é pior que esquecer...
Bela poesia!
Bjinhos

Mila

Chica disse...

Lindo e inspiração bem profunda nesse poema!

beijos,ótimo dia,chica

Baby disse...

Um poema que fala de lembranças que não gostaríamos de lembrar e que a vida teima em não apagar!

Um beijo.

Allexia. disse...

Oi Sél, preciso de mais tempo para atualizar as visitas, seu blog continua lindo e com poesias que gosto muito, notei que tem outros espaços tbm, preciso ler com tempo, beijos com carinho, ( só hoje vi que você disse que eram dois selinhos, eu peguei apenas um, rs. a pressa da nisso né, sem novidades por enquanto no AGRIDOCE que nunca atualiza para os seguidores.rs)

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Há palavras
que tocam a nossa vida
como se fossem nossas.
Saudades...
Esquecimentos...
Lembranças que não
se apagam,
embora desejássemos...

Que os sonhos estejam sempre em ti.