quinta-feira, 2 de junho de 2011

CONFISSÃO INICIAL


Às vezes, tenho a impressão
de que não devia publicar estas palavras
nascidas para viverem em surdina
ao teu ouvido.
Às vezes penso que deveria deixar no limbo
do coração
estas palavras de ti e para ti
e que tomaram imprevistamente
a forma de canção.
Estas palavras que te colhem toda
e te deixam nua,
e me dão a impressão de que também
tenho nu o coração, em plena rua.


J.G. de Araújo Jorge

2 comentários:

Baby disse...

Como é bom enchermos a alma com poemas belos como este.

Fico com "a impressão de que também tenho nu o coração, em plena rua."

Beijos.

Sônia Silvino disse...

Adoro este autor.
É incrível o que se pode fazer com as palavras.
Beijocas, amiga querida!