sexta-feira, 2 de setembro de 2011

PÁSSAROS


Nos meus poemas não há pássaros
aflitos dentro dos versos,
bicos metidos entre as rimas
na angustia dos vôos livres.

Amo as aves revoluteando no ar
a liberdade em plena luz,
que não é querer nem cogitar
mas a forma mesma do corpo.

Asas irrequietas receosas
inconstantes buliçosas
o que voam são os olhos
acesos desconfiados vigilantes
perscrutando inimigos, vitimas, distancias,
adivinhando flores antevendo ninhos.


Miguel Reale


4 comentários:

Ana Martins disse...

Que lindo, grata pela partilha!

Beijinho,
Ana Martins

✿ chica disse...

Lindo demais,Sel!beijos,chica e ótimo fds!

João disse...

Retribuindo a visita!
Teu blog encanta aos olhos e ao coração, parabéns.

Sônia Silvino disse...

Este espaço é um encanto para os nossos olhos e para o coração, amiga amada!