quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

DESENCANTO


Eu faço versos como quem chora
De desalento, de desencanto
Fecha meu livro se por agora
Não tens motivo algum de pranto

Meu verso é sangue, volúpia ardente
Tristeza esparsa, remorso vão
Dói-me nas veias amargo e quente
Cai gota à gota do coração.

E nesses versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre
Deixando um acre sabor na boca

-Eu faço versos como quem morre.


Manuel Bandeira

4 comentários:

Milena disse...

Olá Sél, que lindo seu blog, um acalento ao coração, amei e já estou a te seguir.
se desejar venha me visitar também de desejar me siga.
bjs
http://gejuartesanatos.blogspot.com/

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
Fiquei muito feliz em conhecer o seu blog.
Gosto muito de ler textos e poemas, isso faz com que eu cresça cada dia mais.
A vida se torna interessante, à medida que encontramos pessoas como você.
Grande abraço
Se cuida

Malu disse...

Tão terno apesar de triste...
Abraços

Ana Martins disse...

Sel, boa noite!
Este poema é de uma tristeza que até dói, mas não deixa de ser lindo!

Beijinho,
Ana Martins