quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

RITO DE PASSAGEM


E assim tem sido
O que talvez
Jamais devesse ter acontecido
Se é para ser ranço
Com gosto de pão amanhecido,
Sensato então, seria
Não haver o amor comparecido

Mas esse é um jogo
Em que não cabem apostas
Sem ganhador ou perdedor
Apenas vidas expostas

Não há como ser diferente
Pois esse é um prato
Que deve-se comer quente
E queima a língua dos desavisados
Ingênuos, inocentes, apaixonados

Dá que todos querem provar
E, entre mortos e feridos
Todos os sobreviventes
Fariam tudo de novo
Pois ninguém chega ao céu
Sem antes haver morrido.


Célia Sena

2 comentários:

LUCONI disse...

Sél meu anjo um poema cadenciado com falas muito verdadeiras, ah se pudéssemos segui-lo, meu anjo fiquei sem net por mais de dez dias, então mesmo atrasada queria de desejar um lindo 2012, e que eu possa sempre estar aqui neste teu espaço delicioso, beijos Luconi

Lara Vic. disse...

Lindo. Amei demais o poema. Fazia tempo que eu não vinha aqui, mas uma visita sempre vale a pena!
Feliz 2012, Beeijos!

recantodalara.blogspot.com