sexta-feira, 22 de outubro de 2010

VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA



Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui não sou feliz

Lá a existência é uma aventura

De tal modo inconseqüente

Que Joana a Louca de Espanha

Rainha e falsa demente

Vem a ser contraparente

Da nora que eu nunca tive

E como farei ginástica

Andarei de bicicleta

Montarei em burro brabo

Subirei no pau-de-sebo

Tomarei banhos de mar!

E quando estiver cansado

Deito na beira do rio

Mando chamar a mãe-d'água.

Pra me contar histórias

Que no tempo de eu menino

Rosa vinha me contar

Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo

É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção

Tem telefone automático

Tem alcalóide à vontade

Tem prostitutas bonitas

Para gente namorar

E quando eu estiver mais triste

Mas triste de não ter jeito

Quando de noite me der

Vontade de me matar

Lá sou amigo do rei

Terei a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada.


Manuel Bandeira

9 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Depois de alguns dias de distância
estamos voltando ao convívio dos
amigos que aprendemos a gostar.
Obrigado pela amizade
e pelas palavras
que tornam a nossa vida
mais bonita.

Sua amizade é preciosa para mim.

Machado de Carlos disse...

Será que palavras escritas também conseguem beijar?
Visite-me!
Um grande abraço!

Sél disse...

Bom retorno Aluisio,
Volte com muita luz e novidades rsrs
Obrigado por ter vindo até aqui, querido
beijos.

Sél disse...

Ah sim Machado,
Uma bela poesia é um beijo em forma de palavras.^^
Bjs.

Machado de Carlos disse...

Olha só! Você é de Touro? Alguma coisa temos em comum; somos de Touro! Rs.
Pois é o mais importante é que somos amigos do Rei!
Agradeço-lhe profundamente pela mensagem deixada. Recebi suas belas palavras de coração.
Fique a vontade, tudo o que escrevo é para nós mesmos. Pode copiar o que você quiser, que ficarei sempre muito feliz!
Deixo também os meus singelos beijos!...

Baby disse...

Belo poema! E qual o caminho para Pasárgada?
Vou comprar mum GPS...

Bjs.

Cavaleiro Andante disse...

Vivo bem perto de Pasárgada.
Ansioso fico à espera das duas: Sél e Baby
Não esqueçam a burka ou pelo menos o véu

Ansioso vos espero em Persépolis que fica a um pulinho de Pasárgada

Depois de muitas lutas, serei o rei destas duas princesas

E aviso como aviso todos os forasteiros:

Ó forasteiro, quem quer que sejas, de onde quer que venhas, porque sei que virás, sou Ciro, que fundou o Império dos Persas
Não tenha rancor de mim por causa dessa pequena terra que cobre meu corpo.

Sél disse...

Uma honra que tenhas feito uma pausa em suas andanças, Cavaleiro Andante, para comentar aqui em meu blog.
Agradeço o convite para Persépolis; e faço o meu: para que passe por aqui novamente.^^
Abraços

Helô Strega disse...

Belo poema!
Grata pelos selos.
Link vc la no meu blog e publiquei meus selinhos.
Bom fim de semana!
Beijos