domingo, 21 de novembro de 2010

NADA ME EMUDECE



Nada emudece minha voz

Não há anjo que a desencontre

de teus ouvidos

Nada despermanece as estrelas

por mim desalojadas do céu,

e que dispus acopladas na tua boca

Não há deus que cerre

vagarosamente as cortinas

do meu sorriso

Nenhuma distância impede

meus braços, feixe de nervos

estendidos ao estertor,

o enlace à teu corpo

Não sou exata

Nunca serei igual a alguém

Tenho a largura do sonho

Te amo

de maneira desmesurada.


Jeanete Ruaro

7 comentários:

Baby disse...

Quando se ama assim, de maneira desmesurada, nada do que aconteça nos desvia da meta traçada...

Beijos.

Sél disse...

É uma verdade, Baby ^^
Bjs querida

Essências do Mundo disse...

Lindo este poema Sel
Mostra toda a intensidade do amor
bjus

Sél disse...

Saudade de vc "Essência" (Rosy)! ^^
bj.

Flor ♥ disse...

Que postagem mais linda, Sel!

Deixo a você o meu carinho
.
.
.

Machado de Carlos disse...

Um poema forte escrito por uma mulher forte. Alguém que vence quaisquer barreiras.
Belo!
Parabéns por tão bela escrita!

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Quem possui a largura dos sonhos,
sabe a exata diferença
entre viver e existir.

Sua amizade é preciosa para mim.