terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

FELICIDADE EU INVENTO



Não precisa de nome
Este estado gostoso
E a atmosfera perfeita
Em que me envolvo

Quero realmente isto:

O sorriso de improviso
E o compromisso único
Que tenho comigo

Ter simplesmente o intuito

De mostrar ao mundo
Que vale a pena cada momento

E mesmo que tudo diga o contrário

Aposto no imaginário...
-Minha felicidade eu invento!


Rose Felliciano

4 comentários:

Mila Lopes disse...

Tamb aposto no imaginário...

Bjs linda

Mila

Chica disse...

Lindo e todos precisamos inventá-la e vivê-la!beijos,chica

Sônia Silvino disse...

Inventar e reinventar é preciso sempre, minha amada!
Beijocas!!!!!!

REGGINA MOON disse...

Sél,

Lindo demais esse soneto!!O que seria dos poetas e dos amantes da poesia se não inventássemos a nossa felicidade?Não saberia viver de outra forma...!

Grande beijo e uma boa semana!!

Reggina Moon