terça-feira, 16 de agosto de 2011

A BONECA


Deixando a bola e a peteca
Com que inda há pouco brincavam,
Por causa de uma boneca,
Duas meninas brigavam.

Dizia a primeira: "É minha!"
"É minha!" a outra gritava;
E nenhuma se continha,
Nem a boneca largava.

Quem mais sofria (coitada!)
Era a boneca. Já tinha
Toda a roupa estraçalhada,
E amarrotada a carinha.

Tanto puxaram por ela,
Que a pobre rasgou-se ao meio,
Perdendo a estopa amarela
Que lhe formava o recheio.

E, ao fim de tanta fadiga,
voltando à bola e à peteca,
Ambas, por causa da briga,
Ficaram sem a boneca...


Olavo Bilac

2 comentários:

✿ chica disse...

Adoro essa poesia!! um beijo,chica

Silvia disse...

Oi, Selma
quem diria que Olavo Bilac faria uma poesia tão leve e graciosa como essa.
Abraço