sábado, 24 de setembro de 2011

ENTRE-TANTOS...


Penso que poemas
São segredos
Ocultos no óbvio

À solta no ar, na vida

Nos sentimentos todos,

Na lida

Estanques, ligeiros,

Prenúncios, certeiros,

À espera apenas

De que entre tantos entretantos,

Tantos surdos-mudos-cegos,

Haja um ou outro

Capaz de percebê-los,

Colher os sinais,

Traduzir em versos,

E assim, se possam vê-los.



Célia Sena

2 comentários:

Claudia disse...

Sempre é muito bom passar por aqui...nem sempre tiro tempo para deixar comentários, mas hoje quero deixar um abraço especial!
http://claudiaroma.blogspot.com

LUCONI disse...

Excelente Sél, de forma muito bela você definiu muito bem, tenha um lindo domingo, beijos Luconi